A IMPORTÂNCIA DO SEGURO NO BRASIL


O Brasil tem assistido a uma série de eventos acidentais (A ruptura da adutora de
Manaus, acidentes de trânsito, quedas de aeronaves, desmoronamentos, incêndios,
crise no sistema prisional e aumento de tráfico e roubos) e outros talvez não
considerados acidentes, mas impactantes da mesma forma (as medidas tomadas pelo
presidente Temer sobre a reforma da Previdência e tentativa de atacar a NR12, norma
que determina uma série de adequações em máquinas e equipamentos para prevenir
acidentes de trabalho).

O impacto, além de atingir o principal envolvido no assunto, também pode, direta ou
indiretamente, gerar prejuízos a terceiros. Um exemplo disso é quando o provedor
principal da família está envolvido em algum acidente. Quem ajudará a família da
mesma forma? Como não impactar a renda familiar? Como cobrir as despesas
médico-hospitalares, serviço funerário e tantas outras despesas?

Infelizmente acidentes acontecem. No entanto, por sabermos que há alguma
probabilidade de acontecerem, podemos minimizar as perdas através do
gerenciamento dos riscos. Através de uma apólice bem contratada, com todas as
coberturas possíveis para um eventual sinistro, as preocupações são reduzidas, pois
há garantia de retorno do que foi perdido ou lesado.

Mas como funciona? Como a seguradora assume o risco de grandes valores em troca
de pagamento de parcelas pequenas pelos segurados? Ela não entraria em falência?

Não. A maioria dos objetos segurados não sofre prejuízos eventuais. Assim, o que
permite o seguro custar relativamente barato é a lei dos grandes números. Quanto
maior o número de segurados, em princípio, menor o número proporcional de
acidentes a serem indenizados.

A função do seguro é dar segurança a quem contrata de que, quaisquer das
eventualidades previstas podem acontecer, mas não significarão prejuízos, pois
estes estão minimamente sendo pagos para serem gerenciados. Uma pessoa não
paga um seguro esperando ter que utilizá-lo, e sim para que tenha um suporte caso
seja necessário.

Com a sociedade enfrentando enormes desafios, o papel dos seguradores torna-se
cada vez mais importante, pois diante de tantos riscos, é de fundamental importância
se manter cada vez mais prevenido, tranquilo e seguro.

Embora o seguro não possa substituir as estruturas sociais, ele pode aliviar o ônus,
aliviando os efeitos de catástrofes naturais, protegendo o futuro do envelhecimento da
população, cuidando dos bens das pessoas e preocupando-se com a tranquilidade e
solução dos problemas da sociedade.

Editorial, 30.JANEIRO.2017 | Postado em Geral
  • 1
Exibindo 1 de 1

Carregando...